O Valor do Amor

Texto Base:

Foi assim que Deus manifestou o seu amor entre nós: enviou o seu Filho Unigênito ao mundo, para que pudéssemos viver por meio dele.
Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou seu Filho como propiciação pelos nossos pecados.

1 João 4:9,10

Introdução

O que é o amor?

Antes de tudo, importa esclarecer que definir o amor é uma missão improvável para o ser humano. Qualquer pregador que buscar definir o amor, será como um homem num bote no oceano atlântico, apenas chegará na superfície, jamais na profundeza. O significado é tão imenso que Deus pode ser definido somente por essa palavra, 1Jo 4:8. Menos difícil seria listar o que não é amor:

– Não é doação (bondade)

– Não é perdoar (misericórdia)

– Não é um sentimento (paixão)

– Não é dependência de outro para ser feliz (carência)

– Não é se desvalorizar pelo próximo (falta de amor-próprio)

Amor orienta ação adotada pelo indivíduo que expressa Deus. Quando se decide amar, decide suportar tudo para obedecer aos ensinamentos divinos, porém não com lamento ou murmúrios, mas com prazer e regozijo.

“Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.” 1 João 4:8

Segundo Rick Warren, “Uma vez que Deus é amor, a lição mais importante que ele quer que você aprenda na terra é como amar. É quando amamos que somos mais parecidos com ele, de modo que o amor é o fundamento de todos os mandamentos que ele nos deu”.

Por meio de João 4:10, o Apóstolo afirma que o amor, na sua mais profunda essência, consiste na ação de Deus em entregar seu filho por toda humanidade. Amar quem é amável está de acordo com as leis naturais, porém amar quem é odiável ou desprezível está acima de todas as leis humanas, é algo divino. Dessa forma, o Espírito produz em nós o fruto do amor, isso resgata a identidade caída do ser humano.

 

Desenvolvimento

1) IDENTIDADE RESTAURADA

“Então Moisés disse a Deus: Quem sou eu, que vá a Faraó e tire do Egito os filhos de Israel?

E disse: Certamente eu serei contigo; e isto te será por sinal de que eu te enviei: Quando houveres tirado este povo do Egito, servireis a Deus neste monte.

Então disse Moisés a Deus: Eis que quando eu for aos filhos de Israel, e lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós; e eles me disserem: Qual é o seu nome? Que lhes direi?

E disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós.” Êxodo 3:11-14

No contexto, percebe-se que Moisés, ao ser chamado por Deus para libertar Israel, não sabia como se apresentar diante do Faraó. Como se não bastasse, também não sabia como apresentar Deus. Não somente desconhecia quem era, como não compreendia a autoridade divina que fora delegada a ele.

Moisés não conhecia o amor de Deus até então, isso implicou na ignorância em relação a sua própria identidade como também na própria identidade do Senhor. Somente após caminhar com Deus e praticar a sua vontade, descobriu quem era de fato, filho de Deus, bem como compreendeu sua missão. Em Ex 34:35, percebe-se que Moisés era íntimo de Deus, de tal forma que sua face resplandecia. Moisés conheceu o amor, logo reconheceu sua identidade.

“…e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.” 1 João 4:7,8

Amor → Identidade → Propósito de vida

2) DIMENSÃO DO AMOR

Quando o evangelho chega ao homem, encontra um ser depravado e não somente distante do amor, mas contrário ao amor. A humanidade desobedece sem perceber. As atitudes humanas replicam a negativa adâmica. Assim, o ser humano naturalmente se afasta do verdadeiro amor, e depende ainda mais da atração amorosa de Deus. Quando se entende isso, obtém-se noção do alcance do amor de Deus.

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” João 3:16

“Porque Deus amou o mundo…”.O amor divino é completo. Deus não nos ama menos, e é impossível nos amar mais do que já ama. Não nos ama menos porque o amor não retrocede, não pode amar mais, pois já demonstrou o ápice do amor. Ao se receber esse amor, o cristão deve se motivar para seguir em obediência, independente das circunstâncias, uma vez que o amor verdadeiro não se altera com a influência do ambiente. Ex. Relacionamento sujeito à necessidade de provar o amor constantemente.

“…de tal maneira que deu o seu Filho unigênito…”. Deus não apenas disse que ama o homem, mas demonstrou em ação esse amor. Amar implica em agir. O amor perfeito não está resumido a retóricas ou fantasias românticas, mas sobretudo a atitudes que revelem a sua completude. Deus amou e demonstrou entregando o que possui de mais valioso. Ex. Promessas amorosas entre pessoas, mas sem práticas de fato.

“…para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.”. O alcance do amor divino transcendeu os limites culturais, sociais e étnicos. Alcançou todos que decidissem crer. Até mesmo o mais elevado dos pecadores pode ser alcançado pela graça do amor pleno. Jesus entregou sua vida para revelar o amor perfeito.

Hoje, em gratidão, o indivíduo deve entregar o que possui de mais valioso, o tempo. Amar algo significa investir tempo, é o quanto damos de nós mesmos no que importa. O amor se concentra tão atentamente na outra pessoa que por um momento se esquece de si. Ex. Ativismo laboral e ausência paterna.

“Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade.1 João 3:18

3) VALOR DO AMOR

Diante do exposto, percebe-se que o amor apresenta um valor incomparável:

• Amor mais importante que conhecimento;

“O conhecimento traz orgulho, mas o amor edifica.” 1 Coríntios 8:1

• Amor mais importante do que dons;

“Ainda que eu tenha o dom de profecia e saiba todos os mistérios e todo o conhecimento, e tenha uma fé capaz de mover montanhas, mas não tiver amor, nada serei.” 1 Coríntios 13:2

• Amor mais importante do que qualquer sacrifício;

“Amá-lo de todo o coração, de todo o entendimento e de todas as forças, e amar ao próximo como a si mesmo é mais importante do que todos os sacrifícios e ofertas”. Marcos 12:33

“O valor do Amor é exatamente o valor da sua vida”. Quanto vale a sua vida? Um preço foi pago pela vida de toda a humanidade, exatamente pela definição mais objetiva do amor. Jesus revelou o valor do amor na cruz.

O amor apresenta seu valor na geração de vida bem como na geração de morte, morte de cruz. Jesus amou de tal forma que perseverou até o fim, ou seja, até sua morte, justamente para gerar vida. Então se há amor, há sacrifício e, ao mesmo tempo, provisão.

“como havia amado os seus, que estavam no mundo, amou-os até o fim.” João 13:1

É possível, ainda, que o amor verdadeiro seja colocado de lado, por diversas razões.

“Contra você, porém, tenho isto: você abandonou o seu primeiro amor. Lembre-se de onde caiu! Arrependa-se e pratique as obras que praticava no princípio. Se não se arrepender, virei a você e tirarei o seu candelabro do lugar dele.” Apocalipse 2:4-5 NVI

Caso caia, o cristão deve lutar para se manter no amor verdadeiro. Deve-se adotar os seguintes atos:

“Lembrar de onde caiu” Refletir sobre qual momento se afastou

“Arrepender-se” Somente pelo sangue de Cristo é possível voltar ao Pai

“Retornar à prática das obras iniciais” Todo amor deve ser demonstrado pelas obras

Conclusão

O amor não é uma ideologia ou um código moral impiedoso. É, em primeiro lugar e antes de tudo, uma Pessoa. A base de tudo o que chamamos de moral, bom e certo é o Deus eterno que nos criou. As pessoas devem ser amadas, e as coisas devem ser usadas