Atos.15:37-40

“37. Barnabé queria levar João, também chamado Marcos.

38. Mas Paulo não achava prudente levá-lo, pois ele, abandonando-os na Panfília, não permanecera com eles no trabalho.

39. Tiveram um desentendimento tão sério que se separaram. Barnabé, levando consigo Marcos, navegou para Chipre,

40. mas Paulo escolheu Silas e partiu, encomendado pelos irmãos à graça do Senhor.”

 

Desenvolvimento

 

A leitura atenta do texto nos deixa claro que o pivô dessa discussão foi João Marcos. Barnabé fazia questão de que ele os acompanhasse nessa jornada, mas Paulo não aceitava. Para Paulo, João Marcos, nem pintado de ouro!

Gostaria de me debruçar um pouco sobre esse personagem, João Marcos, alguém que, de repente, foi responsável por tão drástica separação.

O que houve?

Por que isso aconteceu?

Vamos voltar um pouco na história para entendermos melhor.

Em At 11.27-30 vemos a igreja de Antioquia (o lugar onde pela primeira vez os discípulos foram chamados cristãos (pequenos cristos) enviando socorro aos irmãos da Judeia pelas mãos de Saulo e Barnabé.

Em At 12.25, após cumprirem sua missão, Saulo e Barnabé vão embora de Jerusalém levando consigo João, também chamado Marcos, o João Marcos.

De volta a Antioquia, o Espírito Santo chama Barnabé e Saulo para a obra missionária e os irmãos, após jejum e oração, os despedem. João Marcos vai junto. Ele não era um pastor, ou um líder da igreja. Era um cooperador, um obreiro, um ajudador.

Enviados, eles vão a Selêucia, Chipre, Salamina e Pafos. Então, algo acontece… Leia At 13.13. Aqui encontramos a razão da indignação de Paulo: João Marcos os abandonou. Imagine você no meio da batalha, braços dados com seus companheiros e um deles foge.

Poderíamos dizer em linguagem de hoje que Marcos amarelou, fraquejou, pediu pra sair.

Mas, por que alguém faria isso? Seria desânimo? Cansaço? Rebeldia? Incredulidade? Inconstância? Imaturidade?

Não temos na Bíblia a resposta exata para o porque dessa atitude, mas, podemos especular… vamos lá?

Quem era João Marcos?

João Marcos era jovem, rico e órfão de pai. De onde tiramos isso? Do relato da prisão de Pedro:

Veja o episódio da prisão de Pedro. Enquanto Pedro estava preso, a igreja orava por ele. Quando o anjo o livra da cadeia, ele vai justamente ao lugar onde muitas pessoas estavam congregando e orando, a casa de Maria, mãe do João Marcos (Leia At 12.11- 13). Então, não havia um pai (casa de Maria), a casa era grande (muitas pessoas reunidas) e quem atende à porta, é uma criada (Rode), logo, o menino não era fraco!

Detalhe engraçado é o episódio da incredulidade dos irmãos ao relato de Rode.

Lemos também que Marcos era primo de Barnabé. (Isso está em Cl 4.10)

Agora entendemos melhor.

Vou lhes dizer o que eu penso:

O primo Barnabé chega a Jerusalém com um irmão em Cristo chamado Saulo, famoso por seu passado de crueldade. Barnabé e Saulo são verdadeiras celebridades! (Imagina isso hoje??). Marcos vislumbra os destaques que o ministério proporciona e decide seguir com eles.

Mas é claro que, servir a Cristo, NÃO É MAR DE ROSAS! Afinal, o evangelho leva para o céu, mas o caminho passa pela cruz!

Imaginem as viagens naquele tempo. Sem aviões, sem automóveis… longas horas de caminhada ou embarcações à vela… Comida, água, hospedagem, tudo era difícil demais.

Desafios com os judeus, desafios com o os gentios, desafios com o mundo das trevas (em Pafos, o mágico, falso profeta, faz oposição direta a eles).

Bem, João Marcos provavelmente lembrava-se de sua casa, seu conforto, sua mãe. Afinal, ele não retornou apenas para a base missionária, Antioquia. Ele volta para Jerusalém, conforme At 13.13.

Se eu fosse Paulo teria pensado: o mimadinho foi pro colo da mamãe!

Marcos talvez fosse um crente superficial. Havia muita oração na sua casa, como podemos perceber no episódio da prisão de Pedro. Mas, quem sabe, ele mesmo não fosse tão fervoroso. ALERTA! Nossos filhos não se convertem genuinamente apenas porque participam de atividades ligadas à igreja. FILHO PRECISA SER DISCIPULADO!

Pode ser que Maria, a mãe de João Marcos, julgasse que ele fosse um crente maduro, pelo convívio frequente com os irmãos em sua casa. Mas não foi o que ficou evidente quando as adversidades o puseram à prova.

O fato é que João Marcos chegou ao seu limite. Aquilo era demais!

Para ele, servir a Cristo estava mais ligado ao sucesso, estar em evidência, participar dos eventos, estar com os líderes, do que esvaziar-se de si mesmo e receber as marcas do bom combate.

Muita gente pensa em servir a Cristo porque isso as fará prosperar. Deus fará com que possuam o melhor desta terra. Seus negócios serão lucrativos, afinal, são filhos do rei. Não padecerão enfermidades, perdas, sofrimento, tristeza, angústia, solidão. São cabeça, não cauda.

Servirei ao Senhor e Ele me retribuirá. Em Cristo serei próspero, poderoso e influente. Casa legal, carro novo e dinheiro para uma vida confortável. Não é pecado desejar prosperar, ter riquezas. Mas Deus condena o amor a estas coisas.

EVANGELHO É CRISTO. VIVER É CRISTO. MORRER É CRISTO. CRISTO É O CENTRO!

Conclusão

 

Mas antes que você vá pra casa triste com a história de João Marcos, deixe Deus concluir sua boa obra.

Ao voltar para Jerusalém, João Marcos foi pastoreado por Pedro, a tal ponto, que em I Pe 5.13, Pedro o chama de meu filho.

 

Tão próximos eles se tornaram que o evangelho Marcos é praticamente o evangelho de Pedro, porque segundo nossos primeiros irmãos, Marcos escreveu segundo as memórias de Pedro. Pedro sem muito estudo e Marcos versado no grego!

Mas escrever o primeiro relato da vida de Deus na terra, o relato da vida de Jesus Cristo, não foi a grande superação de João Marcos.

Embora não tenhamos muitos relatos por parte de Lucas, sobretudo de como João Marcos se dedicou ao evangelho, podemos perceber que ele se tornou um servo tão valoroso que o próprio Paulo fazia propaganda declarada dele. Cl 4.10. Nesta época Paulo estava em sua primeira prisão e, vejam, João Marcos estava com ele e foi recomendado para o representar em Colosso. Que virada!

E, em uma de suas últimas cartas, bem próximo de sua morte, já em sua segunda prisão, Paulo pede que Timóteo venha depressa e faz três pedidos: traga minha capa (que havia deixado em Trôade), meus livros e, João Marcos!

Porque ele era muito útil ao seu ministério. II Tm 4 9-13 (ênfase II Tm 4.11). Esta foi a última carta que Paulo escreveu. Ele sabia que estava chegando o fim. E quem ele quis ter consigo nesta dramática etapa de sua vida? João Marcos!

João Marcos rompeu as muralhas, superou seus limites. Deixou sua zona de conforto, foi perdoado e se perdoou, foi discipulado por Pedro e, restaurado tornou-se tão útil ao serviço do Senhor que foi a única pessoa que Paulo desejou que Timóteo levasse, antes que ele fosse morto.

E tem mais, Deus ainda usou o episódio entre Paulo e Barnabé com um bom propósito. Ele não permitiu que a equipe missionária fosse dividida. Ele a multiplicou! Enquanto Paulo partiu com Silas para Síria, Barbané e Marcos seguiram para Chipre. Agora são duas equipes de missões.

E você? Quais muralhas você precisa romper? Não estou falando de ultrapassar seus limites para prosperar nesta terra. Pode prosperar, mas o que precisamos mesmo é, como Marcos, superar limites para SERVIR ao Senhor.

Quais muralhas te impedem de orar, de estudar a Palavra, de jejuar, de cuidar, de ouvir, de se dedicar, de servir, de amar, de perdoar. Meus irmãos, só faz sentido superar seus limites, se isso for para a GLÓRIA DE DEUS!

Minha oração é para que você se esqueça desse mundo e clame ao Senhor que mostre quais são as muralhas, quais são as barreiras que te impedem de superar seus limites PARA O SERVIÇO AO REI JESUS!

Que Deus nos abençoe.